Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 2 de janeiro de 2010

PAULO FREIRE, UM EDUCADOR EXCEPCIONAL.


PAULO FREIRE


Biografia Resumida de Paulo Freire

Nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997. É considerado um dos grandes pedagogos brasileiros. Foi professor de português de 41 a 47, quando se formou em direito na Universidade do Recife, sem, no entanto, seguir carreira.

Publicou várias obras que foram traduzidas e comentadas em vários países. Da atualidade é respeitado mundialmente.

Suas primeiras experiências educacionais foram realizadas em 1962 em Angicos, no Rio Grande do Norte, onde 300 trabalhadores rurais se alfabetizaram em 45 dias. Participou ativamente do MCP (Movimento de Cultura Popular) do Recife.

Suas atividades são interrompidas com o golpe militar de 1964, que determinou sua prisão. Exila-se por 14 anos no Chile e posteriormente vive como cidadão do mundo. Com sua participação, o Chile, recebe uma distinção da UNESCO, por ser um dos países que mais contribuíram à época, para a superação do analfabetismo.

Em 1970, junto a outros brasileiros exilados, em Genebra, Suíça, cria o IDAC (Instituto de Ação Cultural), que assessora diversos movimentos populares, em vários locais do mundo. Retornando do exílio, Paulo Freire continua com suas atividades de escritor e debatedor, assume cargos em universidades e ocupa, ainda, o cargo de Secretario Municipal de Educação da Prefeitura de São Paulo, na gestão da Prefeita Luisa Erundina, do PT.

Em 1980 recebeu o prêmio Rei Balduíno da Bélgica e, em 1986, o prêmio Educação para a paz da Unesco.

Toda a sua obra é voltada para uma teoria do conhecimento aplicada à educação, sustentada por uma concepção dialética em que educador e educando aprendem juntos numa relação dinâmica na qual a prática, orientada pela teoria, reorienta essa, teoria, num processo de constante aperfeiçoamento

Algumas de suas principais obras: Educação como Prática de Liberdade (1967), Pedagogia do Oprimido (1970), Ação cultural para a liberdade (1975), Extensão ou comunicação (1971), A importância do ato de ler (1983), Cartas à Guiné Bissau, Vivendo e Aprendendo.

Peculiaridades de Paulo Freire

Paulo Freire era uma personalidade de difícil classificação, não é possível determinar que escola de pensamento seguia, era de extrema originalidade, o que demonstra que tinha uma opinião própria, algo louvável em Freire.

Foi o criador do pensamento radical e pensamento sectário, onde diz que o radical é aquele que não se conforma com a ortodoxia de seu tempo, é aquele que está classificado numa linha, mas não aceita por completo o pensamento desta linha, tem um espírito crítico, questionador, está dentro do sistema de pensamento, mas não aceita aquilo como verdade inquestionável.

Pensamento sectário é aquele que está classificado numa linha, entretanto, não dogmatiza tal pensamento colocando como verdade inquestionável e diz que aquele que não seguir aquele pensamento é revolucionário, rebelde.

Dentro deste esquema Freire classifica os sectários como de direita e de esquerda, onde diz que o sequitário de direita é um sequitário de nascimento é um alienado de nascença e o sequitário de esquerda é aquele que aceita o esquema de esquerda e se alienam, dogmatizando tal linha de pensamento, tornando-a como um esquema perfeito e irrefutável e era contra esses que Freire conflitava.

Foi em função deste conflito que ele começa a teoria do medo e da liberdade. Que é quando o oprimido introgeta dentro de si o opressor, quando o opressor diz: “A sua vida é assim, você nasceu assim e vai continuar assim”, ou seja, é um discurso dentro do oprimido, é uma alienação, fruto da ideologia do opressor.

Método Freire

Era um método Revolucionário em que alfabetizava em 40 horas, sem cartilhas ou material didático. Paulo freire acreditava que o homem que acredita em si mesmo é capaz de dominar os instrumentos de ação a sua disposição, incluindo a leitura.

O método Freire é um método onde ele mergulhava no contexto social daquelas pessoas que seriam alfabetizadas, utilizando-se de palavras do seu contexto, onde ele tinha uma conversa descontraída com a turma onde anotava entre 18 a 23 palavras do contexto daquelas pessoas, ele chamava essas palavras, de palavras geradoras e era em cima dessas palavras que ele alfabetizava.

No método Freire a palavra geradora é subtraída do universo de vivência do aluno (alfabetizando). A Alfabetização é uma conscientização, é uma reflexão sobre a realidade em que se vive de onde surgirá a ação.

Essa palavra geradora era pesquisada com o aluno. Ex.

• Para o camponês, as palavras poderiam ser enxada, terra, colheita, etc.

• Para o operário, as palavras poderiam ser tijolo, obra, casa, cimento e etc.

• Para o mecânico, as palavras poderiam ser alicate, parafuso e assim por diante.

Nesse sistema em cerca de 40 horas a pessoa estava totalmente alfabetizada

Para Paulo Freire o diálogo era o elemento chave onde o professor e aluno são sujeitos atuantes. Sendo estabelecido o diálogo se processa a conscientização.

Paulo Freire afirmava que educação é um processo bilateral, tem que haver participação do aluno, é por isso que Paulo Freire não se identificava como professor, pois professor é alguém que processa alguma coisa, ele auto denominava-se como educador educando, ou seja, só se pode ensinar se você também aprender no mesmo instante que se ensina, o ensino é uma troca de conhecimento entre professor e aluno.

Da mesma forma essa dinâmica deve acontecer com o aluno, ele só vai aprender se ensinar alguma coisa.

A filosofia de ensino de Paulo Freire exige humildade, colocando a elite em igualdade com o povo para aprender e ensinar, porque percebe que tanto aluno como professor nunca sabem ao ponto de saber absoluto, como jamais se encontra na absoluta ignorância.

DIRLEY DOS SANTOS

SOLUS CRISTUS

Nenhum comentário:

Postar um comentário