Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 8 de outubro de 2013

A REPÚBLICA A FAVOR DOS CORONÉIS – PRIMEIRA REPÚBLICA.

ü  LINHA DO TEMPO DA HISTÓRIA DO BRASIL

             Período Colonial                  Período Monárquico               Período Republicano        Era Vargas             Período Democrático
1500_________1822___________1889__________1930_____1945_________1964
Período do Regime Militar                 Período da Nova República
______________1985______________2013.
1500 – Descobrimento do Brasil.
1822 – Independência do Brasil
1889 – Proclamação da República
1930 – Governo Vargas
1945 – Renúncia da Getúlio Vargas
1964 – Golpe Militar
1985 – Fim do Regime Militar, Tancredo Neves é eleito presidente.
2013.
I.     OLIGARQUIAS NO PODER
1.     Pouca Mudança com a Proclamação da República
ü O País continua Rural.
ü Os fazendeiros se mantiveram no poder Político.
2.    Os Dois Períodos da República
República da Espada (1889-1894) – Período dos dois primeiro presidentes que foram militares. Mal. Deodoro da Fonseca e Mal. Floriano Peixoto.
Governo de Marechal Deodoro da Fonseca (1889-1891)
ü Grande Naturalização
ü Separação da Igreja e Estado
ü Elaboração da Primeira Constituição Republicana de 1891
Constituição de 1981 – Característica.
ü Federalismo
ü Presidencialismo
ü Três Poderes – Legislativo, Judiciário, Executivo.
ü Voto aberto – Não secreto.


Encilhamento – (Rui Barbosa)
Objetivo Industrialização
Meios – Emissão Monetária, fazendo a moeda desvalorizar.
Consequências – Crise Econômica, Inflação,
Governo Floriano Peixoto (1891-1894)
ü Assume sem Eleições.
ü Governa com mãos de Ferro.
República Oligárquica (1895-1930) – Período em que prevaleceu o interesse dos grandes coronéis.
Esse período pode ser chamado também de República Velha, foi utilizada depois que Vargas assume o poder em 1930.
Neste período prevaleceram as oligarquias “governo de poucos” o governo das elites latifundiárias, dos grandes fazendeiros, dos coronéis – CORONELISMO.
II.  ASPECTOS GERAIS DA POLÍTICA NA PRIMEIRA REPÚBLICA.
VOTO DE CABRESTO: na República Velha, o sistema eleitoral era muito frágil e fácil de ser manipulado. Como o voto era aberto, os coronéis mandavam capangas para os locais de votação, com objetivo de intimidar os eleitores e ganhar votos. As regiões controladas politicamente pelos coronéis eram conhecidas como currais eleitorais.
FRAUDE ELEITORAL: os coronéis costumam alterar votos, sumir com urnas e até mesmo patrocinavam a prática do voto fantasma. Este último consistia na falsificação de documentos para que pessoas pudessem votar várias vezes ou até mesmo utilizar o nome de falecidos nas votações.
CLIENTELISMO – Voto em troca de Pequenos favores ou “presentes”
“DEGOLA” - Essa corrupção eleitoral foi alicerçada com a criação da Comissão Verificadora de Poderes, que tinha o objetivo de contribuir para a eleição dos candidatos indicados pelos coronéis. Diante disso, essa comissão impedia que muitos candidatos vitoriosos nas urnas assumissem o cargo, pelo fato de eles não terem sido indicados pelos ricos fazendeiros e, por isso, eram “degolados”, ou seja, impedidos de tomar posse.
DESPOTISMO POLÍTICO: Os coronéis podiam ocupar vários cargos políticos importantes, além de indicar parentes, para cargos importantes, como vereadores, chefes de polícia, deputados e prefeitos.
     Poderiam também assumir cargos de grande influência como senadores e até mesmo presidentes.
POLÍTICA DOS GOVERNADORES: Os governadores dos estados e o presidente da República faziam acordos políticos, na base da troca de favores, para governarem de forma tranquila. Os governadores não faziam oposição ao governo central e ganhavam, em troca deste apoio, liberação de verbas federais. Esta prática foi criada pelo presidente Campos Sales (1898-1902) e fortaleceu o poder dos coronéis em seus estados.
     A Política dos Governadores estabelecia que os grupos políticos que governavam os estados dariam irrestrito apoio ao presidente da República, em contrapartida o governo federal só reconheceria a vitória nas eleições dos candidatos ao cargo de deputado federal pertencentes aos grupos que o apoiavam.
III.             A POLÍTICA DO CAFÉ COM LEITE
O que era essa Política?
     Acordo firmado entre as oligarquias estaduais e o governo federal durante a República Velha para que os presidentes da República fossem escolhidos entre os políticos de São Paulo e Minas Gerais.
Por quê?
     São Paulo era o maior produtor de café e consequentemente, tinha os maiores e mais poderosos cafeicultores do Brasil.
     Minas Gerais, grande produtor de Leite e seus derivados, além do gado que juntamente com o café, eram os produtos que mais se destacavam no mercado internacional.
     Essa hegemonia econômica deu muito poderes a estes Estados fazendo com que os presidentes fossem arranjados pelos coronéis destes Estados.
Partidos Políticos
PRP – Partidos Republicanos Paulista
PRM – Partido Republicano Mineiro.
     As oligarquias de cada Estado se uniram em torno destes partidos políticos. Estes partidos firmaram alianças se tornando poderosos e indicando presidentes.
De 1894 – 1906 – Presidentes Paulistas
De 1906 – 1930 – 4 presidentes Mineiros, 1 Gaúcho, 1 Paraibano, 1 Carioca, mas com Carreira política sem São Paulo.
Convênio de Taubaté
     Acordo firmado entre Minas, São Paulo, Rio de Janeiro para a valorização do Café.

O que Era este Acordo?
     O acordo previa que em caso de superprodução do café, o governo compraria safras excedentes com a intenção valorizar o café e consequentemente, aumentar o preço.
IV.             AS FÁBRICAS, AS CIDADES E AS TRANFORMAÇÕES TECNOLÓGICAS.
1.     Grande Crescimento Industrial, principalmente em São Paulo por causa do café.
2.     Crescimento acompanhado por valores tradicionais dos Coronéis.
3.     As mudanças que ocorriam nas cidades afastavam as populações mais pobres que acabavam indo para as regiões periféricas – favelas.
4.    As maiores concentrações das fábricas eram nas regiões de SP, RJ.
5.    A Primeira Guerra Mundial contribuiu para o crescimento das indústrias no Brasil. O Brasil também lucrou muito exportando matérias-primas para os países em guerra como, por exemplo, e principalmente, a borracha. Também exportou muitos produtos agrícolas (café, cacau e açúcar).
6.    Mesmo vivendo em uma sociedade Patriarcal as mulheres começaram a ocupar espaço no mercado de trabalho
7.    A Prática do Esporte adquiriu grande prestígio neste período em função da preocupação com a saúde e o corpo. O futebol (1894) passou a se tornar um esporte muito popular.
8.    Valorização de práticas Sanitaristas que visavam à limpeza  e o controle de doenças, porém estas práticas eram discriminatórias, pois eram relacionadas aos pobres.
9.    Todas as mudanças que acontecem nesse período eram motivadas pelas elites que procuravam se adequar a modernização acontecida na Europa, porém, essas modernizações aconteciam somente dentro dos interesses destas elites, isolando sempre o povo.
V.  A IMIGRAÇÃO CONTINUA NA REPÚBLICA
·    A Imigração foi intensa desde o tempo da monarquia, entre 1889 e 1914, milhares de imigrante entraram no país.
·    Foi marcada por maus tratos, principalmente nas fazendas de café.
·    Devido aos maus tratos, os países criaram lei de que a ida de imigrante só poderia acontecer se o governo brasileiro financiasse.
·    Diversos povos imigraram para o Brasil. Na primeira metade do século XIX, alemães, suíços e etc. Século XX grande quantidade de Italianos, nas primeiras décadas do século XX, Espanhóis e portugueses. Em 1908 Japoneses. Depois chegaram Sírios, libaneses, judeus etc.
·    Influenciaram muito com suas culturas em diversas partes do Brasil.
·    A riqueza do café e o investimento em outras áreas em São Paulo atraíram muitos imigrantes para este Estado que deixaram suas marcas até os dias de hoje.
·    Os imigrantes se inseriram em várias atividades industriais e comerciais, diferentemente dos negros que foram marginalizados e não havia espaço para sua cultura. Ideologias racistas tiveram grande desenvolvimento neste período.
6. MOVIMENTO OPERÁRIO
·    Condições dos trabalhadores eram péssimas nas primeiras décadas do Séc. XX: Baixos Salários, Serviços Pesados, Carga Horária Alta, Trabalho sem Descanso.
·    Os trabalhadores se organizaram em associações de classe reivindicando melhores condições de trabalho, fazendo greve.
·    As greves eram duramente reprimidos, e investigados seus líderes.
·    Em 1917 houve uma Greve Geral em São Paulo que levou 100 mil trabalhadores a pararem suas atividades, população de 550 mil habitantes.
·    Em função das greves mudanças aconteceram, como aumentos salariais e foi percebida por vários setores que os operários eram uma grande força no país.
·    Por influência do setor operariado surgiram vários movimentos: O anarquismo (Negam o Estado) e o Comunismo, através do PCB, que defendia a ditadura do proletariado, recebeu grande influência da Revolução Russa de 1917.
7. A POLÍTICA INDIGENISTA
·    Os Índios eram considerados atrasados e impediriam o progresso do país, além disso, suas terras deveriam ser utilizadas para aumentar as lavouras e produção do país.
·    Surgiram discursos radicais de extermínio dos povos indígenas;
·    Existia aqueles que defendiam a necessidade preservar a vida dos índios, entretanto estes achavam que eles deveriam ser “civilizados”.
·    O grande líder das causas indígenas foi Candido Rondon, influenciado pela ideia positivista, queria preservar vida dos índios, mas estes deveriam ser “civilizados”.
·    Foi criada SPI – serviço de proteção ao índio, órgão de proteção ao índio, líder Cândido Rondon.


REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 -
DO CSARISMO AO BOCHEVISMO

I.     INTRODUÇÃO
            É importante informar a vocês que a Rússia é o país de maior extensão territorial do mundo, com 17 milhões de quilômetros quadrados, mas que chegou a ter 22 milhões de quilômetros quadrados antes da dissolução da União Soviética, em 1991.
            A Revolução Russa foi um dos movimentos revolucionários mais significativos da história da Humanidade. A REVOLUÇÃO RUSSA, REVOLUÇÃO BOLCHEVIQUES, REVOLUÇÃO DE 1917 OU REVOLUÇÃO DE OUTRUBRO alterou a geopolítica mundial e como movimento revolucionário, só é comparado pelos historiadores em termos de transformações ao movimento revolucionário que aconteceu no final do século XVIII na França, conhecido como REVOLUÇÃO FRANCESA.
            Porém é importante deixar claro que as duas tem embasamento políticos diferentes.
·        Revolução Francesa - Revolução Burguesa
·        Revolução Russa – Revolução comandada pelos menos privilegiados.
·         Revolução Francesa – Rei Luiz XVI
·         Revolução Russa – Czarismo Russo – Os Romanov.
            Todas as duas revoluções são exemplos de tomadas de poder de aristocracias que administravam os países durante muitos anos.
II.  À RÚSSIA PRÉ-REVOLUCIONÁRIA CZARISTA
·        RÚSSIA CZARISTAEra uma ARISTOCRACIA IMPERIAL, (a aristocracia russa ficou conhecida como o absolutismo russo) que governou durante muito tempo e que governava nos moldes da concentração de poder, mantendo a burguesia Russa totalmente inoperante politicamente. Quem governava os ditames políticos e econômicos do Império eram os CZARES. (Césares, imperadores Romanos, Kaiser - Alemão).
Além disso, havia a união entre Estado e a Igreja Ortodoxa. O CSAR era o chefe do Estado e seu poder era considerado sagrado, isto é, a palavra do CSAR era considerada a vontade de Deus.
Na virada do século XIX para o XX, o Império Russo Czarista apresentava um extraordinário atraso em relação às demais potências europeias:
·                    ATRASO POLÍTICO Com todos os poderes centralizados nas mãos do czar. Não havia partidos políticos legalizados, embora as agremiações clandestinas fossem bastante atuantes. Delas, a mais importante era o Partido Social-Democrata Russo, (POSDR) que em 1903 que se dividiu em dois ramos: bolcheviques (marxistas radicais) e mencheviques (socialistas moderados).
·        ATRASO ECONÔMICOA economia ainda era basicamente agrária, praticada em latifúndios explorados de forma antiquada, através da exploração do trabalho de milhões de camponeses miseráveis.
A industrialização russa foi tardia, dependente de capitais estrangeiros e se restringia a algumas grandes cidades.
O desenvolvimento industrial russo iniciou-se no final do século 19, principalmente no governo do Czar Alexandre II, que foi possível apenas com o aumento de impostos e financiamento estrangeiro, principalmente para a exploração de petróleo e produção de aço.
·        ATRASO SOCIAL — A sociedade russa era ainda mais desigual que a sociedade francesa às vésperas da Revolução de 1789. Havia o absoluto predomínio da aristocracia fundiária, diante de uma burguesia fraca e das massas camponesas marginalizadas. O proletariado russo era violentamente explorado; mas já possuía uma forte consciência social e política e estava concentrado nos grandes centros urbanos — o que facilitaria sua mobilização em caso de revolução.
III.             A REVOLUÇÃO DE 1905
Em 1904-5, a Rússia entrou em guerra com o Japão, disputando territórios no Extremo Oriente, e foi derrotada.
Esse conflito repercutiu na Rússia, dando origem à Revolução de 1905 que Lenin mais tarde considerou um “Ensaio geral para a Revolução de 1917”.
A Revolução de 1905 consistiu em três episódios distintos, todos extremamente significativos:
·        O DOMINGO SANGRENTO Uma manifestação pacífica de 200 mil operários de São Petersburgo (então capital da Rússia) em frente ao Palácio de Nicolau II. Os manifestantes foram pedir diminuição da jornada de trabalho para 8 horas e salário mínimo e foram violentamente dispersadas pela Guarda Imperial, com centenas de vítimas. Esse acontecimento abalou profundamente a confiança do povo em seu imperador.
·        A REVOLTA DE “PONTEMKIN” — O “Potemkin” era um couraçado pertencente à frota da Marinha russa do Mar Negro. Sua tripulação rebelou-se ao saber que seria enviada para lutar contra os japoneses. Os demais navios da esquadra não aderiram à revolta do “Potemkin”, cujos tripulantes acabaram refugiando-se na Romênia. De qualquer forma, se tratava de um motim em uma grande unidade da Marinha Russa, evidenciando que as Forças Armadas já não podiam ser consideradas sustentáculos fiéis da Monarquia.
·                    A GREVE GERAL Em São Petersburgo, Moscou e Kiev, os operários (trabalhadores) entraram em greve geral. Apesar da repressão militar, os trabalhadores resistiram por algumas semanas, sobretudo em Moscou.
Dois fatos importantes ocorreram durante essa greve:
·                    Organização dos SOVIETES - (Era uma organização de trabalhadores que representavam as mais diversas regiões da Rússia. Quase sempre formada por camponeses e proletários, também representavam os militares, na maior parte das vezes, de baixa patente. Quando da subida de LÊNIN ao poder, este defendia que o governo deveria ser entregue aos SOVIETES, ou seja, a esses conselhos, em outras palavras, o povo)
·                    Criação da DUMA LEGISLATIVA, - Frente à pressão popular, o czar Nicolau II se viu sem saída e convocou uma Assembleia Constituinte conhecida como DUMA LEGISLATIVA (significa parlamento em russo) que teve sua função muito limitada e sem grande participação no poder, mantendo um regime totalmente centralizado e muito autoritário nas mãos do Czar.
·                    Com isso o czar conseguiu manter-se no poder, e uma vez que conseguiu reequilibrar as suas forças, dissolveu a DUMA passou a perseguir, prender e até mesmo a matar pessoas contrárias ao regime czarista. Dessa forma, o principal líder dos sovietes, Lênin, teve de exilar-se na Suíça.
 MENCHEVIQUES E OS BOLCHEVIQUES
            No século XIX, os movimentos de oposição ao regime czarista russo abriram portas para a formação do chamado Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR). Através desse partido, observamos a aglomeração de algumas lideranças políticas visivelmente influenciadas pelos VALORES DO SOCIALISMO MARXISTA e interessadas em dar fim às imposições do governo vigente.
            Apesar de possuírem interesses próximos, os integrantes do POSDR estabeleceram a criação de duas alas políticas fundamentais para o partido. Afinal de contas, apesar de buscarem o fim do czarismo, os social-democratas russos não abraçavam um único projeto de reconstrução do país. Foi nesse contexto em que observamos o desenvolvimento das alas MENCHEVIQUES e BOLCHEVIQUES.
MENCHEVIQUES (do russo menshe, que significava “minoria”)
·        Defendiam uma revolução moderada, permitindo primeiro a democracia e o pleno desenvolvimento do capitalismo para só depois implantar o socialismo.
·        Acreditavam que a BURGUESIA deveria liderar a nova república a ser constituído após a queda do Czar Nicolau II. Dessa forma, as forças produtivas seriam devidamente ampliadas para que uma revolução socialista acontecesse décadas mais tarde.
·        Tomaram o poder em FEVEREIRO de 1917, quando invadiram o palácio de Inverno e o Arsenal da cidade de Petrogrado, e assumindo o poder, sob a liderança do Príncipe LVOV.
·        O governo de LVOV passou a receber duras oposições dos BOLCHEVIQUES, influenciados pelas ideias de LÊNIN.
·        Por causa da oposição, os MENCHEVIQUES, proveram a substituição de LVOV, colocando um grande líder militar chamado ALEXANDRE KERENSKI, porém mesmo assim não atendeu as reinvindicações dos BOLCHEVIQUES e manteve a Rússia na Guerra.
·        Para os BOLCHEVIQUES o governo do MENCHEVIQUES se tornou insustentável e os BOLCHEVIQUES tomaram o poder.
BOLCHEVIQUES (do russo bolshe, que significa “maioria”)
·        Os bolcheviques defendiam uma mudança radical na política para seu povo, defendendo uma revolução socialista armada, caso necessário.
·        O líder dos BOLCHEVIQUES foi Vladimir Lênin, acreditavam que o governo deveria ser diretamente controlado pelos trabalhadores. Com isso, a REVOLUÇÃO PROLETÁRIA seria a responsável direta pelas transformações que modernizariam a economia Russa e daria fim aos contrates sociais que marcavam o país.
·        A base teórica do bolchevismo era o MARXISMO-LENINISMO. Lenin definia o BOLCHEVISMO como a aplicação do marxismo às condições específicas da época.
·        BOLCHEVISMO fazia oposição sistemática a Guerra de 1914-18 como também ao CSARISMO.
·        O BOLCHEVISMO chamou à REVOLUÇÃO DE FEVEREIRO a REVOLUÇÃO BURGUESA e à DE OUTUBRO a REVOLUÇÃO PROLETÁRIA, fazendo assim passar o seu próprio Regime pelo reino da classe proletária e a sua política econômica pelo socialismo.
·        Nesse contexto, Lênin – com a publicação das “TESES DE ABRIL” – denunciou o papel limitado do novo governo no atendimento das causas populares.
            No início de novembro, os BOLCHEVIQUES já tinham organizado uma força militar revolucionária que logo derrubaria a administração menchevique. A partir de então, Lênin e outros líderes do partido promoveram mudanças nas estruturas políticas e econômicas do país. Ao mesmo tempo, um grande exército de proletários foi organizado para conter as forças reacionárias que se opunham à experiência revolucionária.
IV.             BOLCHEVIQUES NO PODER
4.1.     TRATADO DE BREST-LITOVISK – Logo após Lenin assumir a liderança do novo governo, os Russos assinaram este tratado que retirou a Rússia da Primeira Guerra.
4.2.       REAÇÃO BURGUESA - Os Burgueses apoiados pelas Nações Capitalistas Internacionais organizaram o EXÉRCITO BRANCO com o objetivo de impedir o processo de socialização e derrubar o governo BOLCHEVIQUE, a reação dos revolucionários comunistas foi à organização do EXÉRCITO VERMELHO e o resultado foi uma guerra civil em 1919. O Exercito vermelho venceu a guerra e o governo dos revolucionários se consolidou no governo e abriu caminhos para mudanças radicais.
4.3.     O ESTABELECIMENTO DA NEP – (Nova Política Econômica) – As primeiras tentativas de Implantação do Comunismo não foram bem sucedidas, pois a entrega das indústrias a os operários sem experiência resultou em várias falências. A solução foi à criação da NEP (Em linhas gerais, passou pela entrega das pequenas explorações agrícolas, industriais e comerciais à iniciativa privada, tentando assim desesperadamente fazer a nascente União Soviética sair da grave crise em que se achava mergulhada).
4.4.     A UNIÃO DAS REPÚBLICAS SOCIALISTAS SOVIÉTICAS (URSS) –
              O território do Antigo Império Russo era composto por várias nações submetidas à estrutura czarista da dinastia Romanov. A revolução tinha de alguma forma desestruturada a relação com estas nações que compunham o Império Russo, agora deveria então reestruturar esta relação.
               Eram aproximadamente 15 nações que compunham a URSS. A URSS nasceu em 1922 e se tornou uma das maiores potências do planeta disputando a hegemonia mundial com os EUA durante a chamada Guerra Fria.
4.5.      A CRIAÇÃO DO SOVIETE SUPREMO – Formado por representantes de todas as repúblicas. Com o passar do tempo o conselho foi se centralizando o poder e a relação entre ele e os diversos sovietes espalhados pela URSS se inverteu. Na prática esta inversão, entre outros fatores afastou a URSS do ideal proposto por Marx e Lenin.
A RÚSSIA NA PRIMEIRA GUERRA
A Rússia entrou no conflito ao lado da Tríplice Entente (Inglaterra, França, Rússia), lutando contra os países que compunham a Tríplice Aliança. As tropas russas enfrentaram, sobretudo, as tropas alemãs, cujo poderio militar era superior. À medida que o conflito se prolongava, o exército russo sofria derrotas, baixas e deserções, e a Rússia entrava em colapso: o aumento da pobreza e uma onda de fome em 1917 completou esse contexto de crise.
V.  TRÊS DÉCADAS DE STÁLIN
            De 1917 a 1924 Lenin permaneceu no poder, após a morte de Lênin dois grandes nomes disputaram o poder na RUSSIA, Stalin e Trotsky.
            Muito mais do que uma disputa pessoal entre Stalin e Trotsky, essa disputa representou o confronto entre duas Ideologias.
     Leon Trotsky – Defendia a chamada Revolução Permanente.
     Stalin – Defendia o socialismo em só País.

            Stalin, também atuou em vários momentos da História Russa e chegou ao mais alto cargo da estrutura administrativa da URSS.
Características de Stalin
·         Líder excepcional com grande poder de Manipulação
·         Construía alianças políticas com uma habilidade incomum
·         Não aceitava nenhum tipo de discordância
·         Perseguiu e mandou executar praticamente aqueles que o desafiavam
·        Disputou o poder com Trotsky, pois possuíam ideais diferenciadas para o futuro da URSS.
·        A habilidade política de Stalin determinou a vitória de Stalin sobre Trotsky
·        Governou durante três décadas 1924 a 1953.
·        Durante estas três década efetuou mudanças políticas e econômicas que tornaram a URSS uma superpotência Mundial.
·        Estatizou a economia da URSS e tornou os produtos com preços que não diferenciavam muito.
·        Adotou um regime meio parecido com o Regime Feudal, das obrigações dos Servos com seus senhores, no caso o senhor aqui era o Estado.
KOLKHOZES E SOVKHOZES – Eram organizações, de imensas fazendas ligadas ao Estado.·.
KOLKHOZES – A Propriedade e posse da terra pertenciam aos Camponeses. Os camponeses deveriam produzir e parte desta produção deveria ser entregue ao estado e o que sobrasse deveria atender as necessidades de subsistência.
SOVKHOZES – Todas as terras pertenciam ao Estado e o camponês deveria cultivá-la onde entregaria toda a produção ao Estado e uma parte seria devolvida para a subsistência do Camponês.
PLANOS QUINQUENAIS
·         O que eram os Planos Quinquenais?
            Tinha a ideia de concentrar todos os esforços produtivos e econômicos em determinada área da economia, visando promover o um rápido crescimento daquela área dentro de um período de Cinco anos.
Exemplo – Primeiro Quinquênio os esforços se concentraram no estabelecimento de indústria de base.
Resultado – Crescimento extraordinário da Economia Russa, tanto no setor agrícola quanto na Indústria. A indústria que mais se desenvolveu foi à indústria Bélica, acima de todas. Tornou a Rússia uma Superpotência Militar.
            O problema é que a economia Russa não cresceu proporcionalmente, isto porque outros setores não tiveram crescimento. O que aconteceu é que o Estado enriqueceu, mas à custa da exploração da população pobre. O povo foi extremamente explorado e vivendo em condições de extrema pobreza.
                        Após a morte de Stalin, os verdadeiros custos do crescimento russo apareceram, seu sucessor NIKITA KHRUSHEV, abriu os arquivos que mostrariam ao mundo fatos desconhecidos com relação ao governo de Stalin
PRIMEIRA GUERA MUNDIAL (1914 – 1918)
INTRODUÇÃO
O período que vai de 1871 a 1914 é chamado de BELLE EPÓQUE (Bela Época), isto porque vai ser um período de grande prosperidade material, de grande investimento em arte, vai ser um período de prosperidade, especialmente na França, mas de um modo geral em toda a Europa, porém este período não serão somente flores, neste tempo teses racistas vão surgir, rumores antigos voltarão acontecer e também disputas imperialistas vão acontecer, na verdade este será o grande motivo pelo qual a primeira guerra vai acontecer. O mundo já estava há quase um século sem ver guerra em grandes proporções. Eric Hobsbawn vai dizer que para muita gente a primeira guerra mundial era o início do fim do mundo.
A primeira guerra foi um morticínio nunca acontecido na história da humanidade, as estatísticas dizem que 10 milhões de pessoas tiveram suas vidas ceifadas, a Europa foi devastada, não somente em sua geografia, mas principalmente economicamente, socialmente e etc. A primeira guerra foi um caos para a humanidade. Embora ela na realidade não tenha acontecido em todas as partes do mundo, se restringiu a Europa e no Oriente Médio, entretanto suas conseqüências foram mundiais, pois gerou crises em todas as Nações.
Gostaria em primeiro lugar pensar com vocês, quais foram os fatores principais que geraram a Primeira Guerra Mundial.
I. O CHOQUE ENTRE AS NAÇÕES IMPERIALISTA – O IMPERIALISMO.
O fator principal que gerou a primeira guerra foi uma crise de mercado que aconteceu relacionado com as grandes potências da Europa.
As nações da Europa estavam vivendo um enorme aumento de produção. Já  estava acontecendo à segunda revolução industrial, onde a Máquina a vapor estava saindo de cena e a eletricidade estava em evidência, mudanças estavam acontecendo, e devido ao surgimento de novas tecnologias a produção estava exigindo novos mercados consumidores. Se não fosse atendida as novas exigências o sistema capitalista entraria em crise. A saída foi o chamado Neocolonialismo na Ásia e África para onde se enviou este novo excedente e de onde viria nova matéria-prima. Vejamos como foi esta questão:


ALEMANHA
Após a sua unificação ela acelerou o seu processo de industrialização e com isso saiu em busca de mercado, mas quando saiu já achou o mundo dividido, portanto em 1914 a Alemanha quis guerra, pois esperava que com a vitória na guerra uma nova partilha no mercado mundial acontecesse.
GRÃ BRETANHA
            Foi à nação que deu início a revolução industrial, era a nação mais rica do mundo neste momento e queria continuar sendo, mantendo sua hegemonia e a Alemanha era uma ameaça ao seu Império.
FRANÇA
Queria recuperar a ALÇACIA LORENA, que havia perdido na guerra contra a Alemanha em 1870 na chamada GUERRA FRANCO-PRUSSIANA. Com isto existia um forte sentimento de revanchismo.
Além disso, havia também a cerimônia de coroação do rei Guilherme I da Alemanha ocorrida na famosa sala dos espelhos, no Palácio de Versalhes, que foi considerado uma grande humilhação.
SÉRVIA
            Sonhava em anexar o território no sul da Europa, formando a grande sérvia.
            A exemplo, do que acontecera na Itália e na Alemanha, a Sérvia pretendia unificar sob sua direção os povos Eslavos do sudeste da Europa. O movimento pela Grande Sérvia chocava-se, entretanto ao sul com os interesses do Império Otomano e ao Norte com os do Império Austro-Húngaro. Ainda em 1908 as divergências aumentaram, na ocasião em que foram anexadas pelo Império Austro-Húngaro as províncias Balcânicas da Bósnia-Herzegovina, habitadas por povos Eslavos. Consumada a anexação, a formação de um Estado Nacional Eslavo, centralizado pela Sérvia, só seria possível com o desmembramento parcial do Império Austro-Húngaro e do Império Otomano.
RÚSSIA
Ambicionava uma saída para os mares quentes às custadas da decadente Turquia.
Além disso, havia os interesses do novo Império Alemão de construir uma estrada de ferro que ligasse Berlim a Bagdá, esta estrada passaria pelo único acesso marítimo dos Russos ao Mar Mediterrâneo.
II. A POLÍTICA DAS ALIANÇAS
            Nessa época vários acordos e alianças foram estabelecidos, muitos deles efetivados em encontros secretos, que só vieram a público após o término da guerra. Estudiosos afirmam que esses acordos foram um dos principais fatores que contribuíram para a Guerra.
1. A TRÍPLICE ENTENTE (ALIADOS) – Formada de INGLATERRA, FRANÇA, E RÚSSIA, depois receberam apoio também do IMPÉRIO TURCO-OTOMANO.
2. A TRIPLICE ALIANÇA (POTÊNCIAS CENTRAIS) – Formada de o IMPÉRIO ALEMÃO, O IMPÉRIO AUSTRO-HUNGARO E A ITÁLIA. Assim que o conflito eclodiu a Itália ficou neutra, e depois se associou a TRIPLICE ENTENTE.
III. O NACIONALISMO EXACERBADO
A.  O PAN ESLAVISMO – Significava a idéia de que a Rússia tinha de unir todos os povos de língua ESLAVA sob sua tutela para conter a expansão do Império AUSTRO-HÚNGARO e a principal região onde a Rússia vai patrocinar o seu PAM ESLAVISMO vai ser a SÉRVIA. (Rússia, checo-Eslováquia Bulgária, Sérvia, Polônia, Croácia, etc.). 
B. PANGERMANISMO - Os germânicos eram muito nacionalistas e queriam que todos os países de origem germânica se unissem em uma só nação. E ainda tinham o interesse de impor a supremacia Germânica, entendendo que todos os outros povos eram inferiores.
VI. A CORRIDA ARMAMENTISTA
             No início do século XX ficava cada vez mais evidente que um conflito de grandes proporções estava se aproximando. Cada potência industrial visava sua defesa e manutenção, e já se preparavam para a guerra, isto deu início a uma corrida armamentista nunca vista, chamada de Paz Armada. A tecnologia avançou e várias armas foram aperfeiçoadas.
GÁS LETAL – A conhecida guerra química hoje foi desenvolvida pela primeira vez na primeira guerra. O gás letal foi amplamente usado na primeira guerra e depois foi utilizado no Holocausto na segunda guerra.
OS TANQUES DE GUERRA - Foram modernizados capazes de resistir à maioria das armas, e vencia muitos obstáculos pelo caminho além de terem grande poder de fogo.
O AVIÃO – Foi uma poderosa arma de guerra, de grande destruição.
O SUBMARINO – Já existia no século XIX, sofreu profundas transformações tornando-se muito mais eficaz, provocando o afundamento de centenas de embarcações durante a guerra.
AS METRALHADORAS – Foram aprimoradas e se tornou a principal arma de combate terrestre.
A TÉCNICA DO USO DAS TRINCHEIRAS – Uma das fases da guerra foi a guerra de trincheiras, quem mais se aperfeiçoou saiu na frente Tomou novos contornos sendo muito utilizadas.
Esse período foi chamado de PAZ ARMADA
V. O ESTOPIM DA PRIMEIRA GUERRA.
            Na região dos BALCÃS em 28 de julho de 1914 na cidade SARAJEVO, capital da BÓSNIA HERZEGOVINA foi assassinado o arquiduque FRANCISCO FERDINANDO herdeiro do trono AUSTRO-HÚNGARO.
            O governo da AUSTRIA culpou o governo da SÉRVIA, pois os sérvios tinham pretensões sobre o território, em um mês depois a AUSTRIA atacou a SÉRVIA e assim começava a guerra.
            A RUSSIA mobilizou tropas em favor da SÉRVIA. A Alemanha aliada da AUSTRIA declarou guerra à RÚSSIA e também a FRANÇA e então estava iniciada a primeira grande guerra mundial, porque a partir daí começou os países se aliarem em favor de um e outro.
VI. O PRIMEIRO CONFLITO MUNDIAL (1914-1918)
1. AS FASES DA GUERRA
            A primeira guerra mundial teve praticamente três fases. Vejamos
PRIMEIRA FASE (1914)
a) Guerra de movimentos – Movimentos das tropas.
b) Plano Schilifem – A Alemanha planejava atacar a França pela Bélgica onde devastariam a França rapidamente, isto quase aconteceu chegaram até Paris, porém foram parados e impedidos de prosseguir.
c) Batalha de MARNE - A Batalha do MARNE foi uma batalha da Primeira Guerra Mundial que durou de 5 de Setembro a 12 de Setembro de 1914. Foi uma vitória franco-britânica sobre a Alemanha, em um dos momentos decisivos da I Guerra Mundial.
SEGUNDA FASE DA GUERRA (1914 a 1917)
a) Guerra de trincheiras – Foi à marca registrada da Primeira Guerra Mundial. Tornou esse período especialmente devastador para os soldados. Entrincheirados e, portanto, com pouquíssima mobilidade, foram obrigados a empreender combates longos e desgastantes, que ceifaram a vida de milhares de soldados de ambos os lados.
b) Inovações Bélicas – Novas armas foram projetadas e utilizadas que fizeram grande diferença no conflito. Esta foi chamada a segunda corrida armamentista em menos de duas décadas. O resultado foi à intensificação dos combates no início de 1917.
c) Batalha de SOME – Ocorreu de julho a novembro de 1916. Esta batalha é considerada uma das maiores batalhas da Primeira Guerra Mundial. Foi uma ofensiva anglo-francesa, que tinha como objetivo derrubar as linhas de defesa alemã, ao longo de 19 km, localizadas na região do Rio Somme, na França. Ambos os lados sofreram baixas elevadíssimas, sobretudo a Grã-Bretanha, sem ter o objetivo atingido.
d) Batalha de VERDUM - A Batalha de Verdun foi uma das principais batalhas da Primeira Guerra Mundial, na Frente Ocidental. Colocou frente-a-frente o exército alemão e as tropas francesas, de 21 de Fevereiro a 18 de Dezembro de 1916, num terreno cheio de elevações ao norte da cidade de Verdun-sur-Meuse, nordeste de França. A batalha de Verdun durou um ano e teve, ao seu fim, um total de 600.000 mortes. Ocorreu em território francês entre Alemanha e França.
TERCEIRA FASE DA GUERRA – (1917 a 1918)
a) Guerra de movimento – Mais um momento de movimentação das tropas.
b) Saída da RÚSSIA em virtude da Revolução de 1917 – Em 1917 estoura a revolução RUSSA, complicando, mas ainda a delicada participação da RÚSSIA na guerra, o que levou ou seus novos dirigentes a assinarem um tratado de paz com as potências inimigas, abandonando formalmente a guerra no início do ano seguinte.
c) Entrada dos EUA na guerra – Em abril de 1917 os EUA, romperam a sua impraticável neutralidade e declaram guerra aos Alemães, promovendo o desembarque das tropas americanas na França ainda em junho deste ano.
             A entrada dos EUA na Guerra vai ser decisiva, pois as forças dos impérios centrais pareciam predominar, com a entrada dos EUA que estavam enriquecidos e fortemente industrializados, os rumos da guerra mudaram radicalmente.
Os EUA tinham investido muito na Europa durante a guerra, especialmente nos países da Tríplice Entente o que resultaria em um enorme prejuízo para a economia norte-americana se houvesse a derrota de seus parceiros.
d) A rendição da Tríplice Aliança – No início de 1918, gradativamente.
V. FINAL DA GUERRA.
a) Os 14 Pontos de Thomas Woodrow Wilson: Elaborou a primeira proposta de paz para a Primeira Guerra Mundial.
A proposta do presidente americano previa o fim do conflito sem que atribuísse o peso de culpa e responsabilidade a nação alguma. Seria uma paz sem perdedores e vencedores.
Os principais líderes aliados não aceitaram a proposta de paz estadunidense. A rejeição fez com que diversos tratados fossem elaborados.
b) Mais de 60 milhões de homens participaram da guerra;
c) Cerca de 10 milhões de pessoas morreram e mais de 20 milhões ficaram feridos;
d) Na Rússia, ocorreu a Revolução Socialista;
e) Início da revolução pela igualdade feminina, pois as mulheres assumiram os postos de trabalho porque todos os homens estavam na guerra;
f) A Europa entrou em declínio;
g) A América do Norte inicia sua ascensão com o crescimento dos Estados Unidos como uma grande potência;
h) Início dos regimes autoritários como o nazismo e fascismo;
i) Crise econômica em países como a Rússia, Itália e Alemanha;
j) O Império Turco-Otomano foi acusado de genocídio por terem dizimado a população armênia durante a guerra.
l) Tratados foram elaborados. Vejamos alguns:
  • Tratado de Saint Germain – Declarava a independência de várias regiões que eram submetidas ao Império Austro-Húngaro
  • Tratado de Serves – Imposto ao Império Turco-Otomano, este tratado desmembrou o império.
  • Tratado de Trianon – Separação da Áustria da Hungria diminuindo  consideravelmente sua área territorial.
  • Tratado de Neuilly – Diminuição do território da Bulgária
  • TRATADO DE VERSALHES – Foi uma humilhação para a Alemanha, onde eles perderam territórios e suas colônias. Ficaram proibidos de fabricar armas e ainda tiveram que assumir uma gigantesca dívida de guerra.
V. PERSONALIDADES AINDA DESCONHECIDAS QUE SE TORNARAM CONHECIDOS NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL.
  • BENITO MUSSOLINI
  • ADOLF HITLER
  • CHARLES DE GAULLE
  • WINSTON CHUCHIL
VI. LIGA DAS NAÇÕES
Woodrow Wilson, presidente dos Estados Unidos, lançou a idéia de abolir a “diplomacia em segredo” e de unir os povos com o intuito de evitar uma nova guerra, numa Liga das Nações que tinha os seguintes princípios fundamentais:
a) Autonomia dos povos.
b) Renúncia à política de alianças.
c) Governo de acordo com os governados.
d) Liberdade dos mares.
e) Desarmamento geral.
Genebra passava a ser a sede da Liga das Nações.

VII. EFEITOS DA PRIMEIRA GUERRA NO BRASIL
  • O presidente Venceslau declarou guerra à Alemanha em outubro de 1917
  • O Brasil só enviou apoio médico e disponibilizou vários de navios de combate que faziam parte da Marinha Brasileira;
  • O País se beneficiou da Guerra oferecendo matéria prima aos países que estavam em guerra, Produtos como café, cacau e açúcar eram enviados. Porém, o produto mais exportado nessa época foi à borracha.